” LEI SECA DO CIGARRO”


A ”lei seca do cigarro”, um projeto que proíbe o motorista de dirigir fumando, está em tramitação na Câmara dos Deputados. Apesar das críticas que acompanham a idéia, para o autor da proposta, deputado Dr. Talmir (PV-SP), o momento atual de grande repercussão em torno da queda de acidentes provocada pela lei seca do álcool torna propícia a aprovação do projeto.

O deputado, que também é médico, explica que a proibição iria reduzir o número de acidentes porque, segundo ele, o motorista que fuma inevitavelmente acaba se desconcentrando. Além disso, ele ressalta o aspecto ambiental da medida, já que, de acordo com o parlamentar, quase ninguém apaga o cigarro e deixa a ponta dentro do carro para depois jogá-la no lixo. “O motorista fumante provoca boa parte das queimadas de beira de estrada em período de seca e mesmo que isso não aconteça, uma bituca leva anos para se decompor.”

O autor do projeto ainda explica que, como a atual legislação obriga o motorista a dirigir com as duas mãos no volante, o projeto apresentado foi em caráter conclusivo, ou seja, não precisa ser votado no Plenário da Casa para virar lei.

O projeto foi protocolado na Mesa Diretora e vai passar por três comissões (de Transporte, Seguridade Social e Justiça e Cidadania). A idéia é que depois disso o código de trânsito seja mais claro e estipule a punição específica para o cigarro.

Mas no decorrer de toda a tramitação, o projeto deverá ser alvo de críticas de diversos setores, conforme prevê o próprio autor da proposta. “Certamente, a Câmara ficará lotada de lobistas da indústria de cigarros, mas pretendo combatê-los para aprovar a matéria”, afirma ele.

Fonte: Portal Terra

MUDANÇAS NA FORMAÇÃO DE CONDUTORES

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou, no dia 22 de agosto, a resolução 285 que altera as regras dos cursos de formação dos condutores de veículos automotores. 
  
A partir de 1° de janeiro de 2009 o curso teórico, atualmente com 30 horas aula, passará a ter carga horária de 45 horas aula. Já o curso de direção veicular, hoje com carga horária de 15 horas aula, será composto de 20 horas aula.

O objetivo do Contran é melhorar a formação dos condutores e conseqüentemente reduzir o número de acidentes de trânsito. Segundo a resolução 285 o curso teórico abordará, entre outras, questões relativas à direção de veículos em situação de risco, equipamentos de segurança do condutor motociclista, condução de motocicletas com passageiro e ou cargas, cuidados com a vítima motociclista e as conseqüências do consumo de bebida alcoólica e substâncias psicoativas.
  
Outra novidade é a criação do “Curso para condutores de veículos de transporte de carga indivisível e outras, objetos de regulamentação específica pelo Contran” destinado aos condutores que pretendem realizar o transporte de cargas classificadas como indivisíveis.
  
A resolução 285 altera as regras previstas pela resolução 168/04. No entanto, os alunos matriculados em cursos regulamentados pela resolução 168/04 até 31 de dezembro de 2008 terão asseguradas todas as condições nela estabelecidas.

 Acesse a resolução 285

Resolução 168/04

Resolução 285/08

Curso Teórico 30 horas aula:

* Legislação de Trânsito

  12 horas aula

* Direção Defensiva

   8 horas aula

* Noções sobre o Funcionamento do Veículo de Duas ou mais Rodas

   2 horas aula

* Noções de Proteção e Respeito ao Meio Ambiente e de Convívio Social no Trânsito

   4 horas aula

* Noções de Primeiros Socorros

   4 horas aula

Curso Teórico 45 horas aula:

* Legislação de Trânsito

   18 horas aula

* Direção Defensiva

   16 horas aula

* Noções sobre o Funcionamento do Veículo de Duas ou mais Rodas

   3 horas aula

* Noções de Proteção e Respeito ao Meio Ambiente e de Convívio Social no Trânsito

   4 horas aula

* Noções de Primeiros Socorros

   4 horas aula

Curso de Prática de Direção Veicular:

15 horas aula

Curso de Prática de Direção Veicular:

20 horas aula

MOTORISTA x PEDESTRE = RESPEITO

Os motoristas precisam ficar atentos a quem anda a pé no centro de Santa Maria. Buzinas, corre-corre, freadas, apitos, mau humor e, em alguns casos, até xingamentos. Segundo jornal local Diário de Santa Maria, esse cenário de conflito é rotineiro na Rua do Acampamento entre motoristas e pedestres.

Se depender daqueles que atravessam as ruas, o conflito ainda vai longe. Em 15 minutos de uma manhã o jornal flagrou mais de 180 pedestres atravessando a Acampamento sem usar a travessia destinada para a sua própria segurança: a faixa de pedestres.

Enquanto uns tiveram o cuidado de olhar para o lado e calcular a distância do carro mais próximo, outros atravessaram na frente dos automóveis mesmo, fazendo ziguezague entre os veículos e os ônibus. Os caminhantes pareciam ignorar que, nas duas esquinas, a poucos passos duas faixas oferecem proteção aos pedestres. As desculpas daqueles que se arriscaram na travessia, geralmente são: pressa, preguiça, descuido e o tradicional “não, eu nunca faço isso, foi só agora”.

Para o instrutor de auto-escola, Edelcir Mainardi, 38 anos, o respeito é a palavra de ordem quando o assunto é trânsito.

- O pedestre tem a preferência, mas precisa ter consciência e respeito com aqueles que, junto com ele, usam a rua. No trânsito, tem de haver uma troca de gentilezas entre todos – diz o instrutor.

Conforme a Direção Municipal de Trânsito, as faixas de segurança devem ser repintadas até o fim do mês. Grades de contenção para pedestres estão entre os projetos da Secretaria Municipal de Trânsito para evitar que as pessoas atravessem longe das faixas.

Saiba o que você pode e não pode fazer quando estiver dirigindo ou quando for atravessar a rua no site do Departamento Nacional de Trânsito: www.denatran.gov.br

Fonte: Jornal Diário de Santa Maria

Facebook