Formas de Pagamento e Documentação

Curso Valor
Curso de atualização EAD R$ 129,12

Documentos necessários

  • Carteira de Habilitação
  • Comprovante de residência original e cópia (Água, Luz, ou Telefone do último mês)

O valor poderá ser pago em dinheiro ou no cartão de crédito em até 3 x sem juros.  O parcelamento pode ser realizado no cartão Banricompras , Quero-Quero além das bandeiras, Visa, Mastercard e Hipercard.

O pagamento também poderá ser realizado no cheque, mediante consulta, em até 2 parcelas.

 

 

 

Formas de Pagamento e Documentação – Curso de Reciclagem

Curso Valor
Curso de Reciclagem EAD ou presencial R$ 279,24

Documentos necessários

  • Original e cópia do documento de identificação com foto. Pode ser a identidade em bom estado, que não esteja com foto infantil, nem com plastificação aberta ou refeita; ou a carteira de trabalho do modelo novo que já está com foto plastificada. ( Caso seja este documento o mesmo deve ser apresentado com cópia autenticada).
  • Original e cópia do CPF ( Caso não esteja localizado na Carteira de Identidade)
  • Original e Cópia do comprovante de residência (Conta de Água, Luz ou Telefone do último mês) .
  • A foto é capturada na abertura do cadastro.

Em caso de dúvidas adicionais, clique aqui e envie sua mensagem.

Calendário IPVA 2018

O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL – DETRAN/RS, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 6º da Lei Estadual nº 10.847/96, combinado com o artigo 5º da Lei Estadual nº 14.479/14;

Considerando que o licenciamento anual de veículos automotores requer a quitação dos impostos, taxas, multas e demais encargos devidos, nos termos dos artigos 130 e 131 da Lei Federal n.º 9.503/97 – Código de Trânsito Brasileiro – CTB;

Considerando o disposto no artigo 1° da Resolução n.° 110/10 do CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito;

Considerando o disposto na Lei Estadual n.º 8.109/85, e alterações;

C onsiderando o teor da Lei Estadual n.º 14.740/15, que introduziu modificações no IPVA– Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores;

Considerando o teor do Decreto Estadual n.º 53.834/17;

Considerando o contido no expediente administrativo protocolado sob SPD n.º 134090/17.

RESOLVE:

Art. 1º Estabelecer o calendário para o licenciamento anual, correspondente ao exercício de 2018, dos veículos registrados no Estado do Rio Grande do Sul, conforme segue:

Final das placas: Data limite de Pagamento do IPVA 2018 e Seguro Obrigatório Data limite de Validade do Licenciamento de 2017

1

2

3

02/04/2018

04/04/2018

06/04/2018

30/04/2018

4

5

6

09/04/2018

11/04/2018

13/04/2018

31/05/2018

7

8

16/04/2018

18/04/2018

30/06/2018

9

0

20/04/2018

23/04/2018

31/07/2018

 

Art. 2º Os encargos referentes à taxa de licenciamento e multas vencidas deverão ser quitados com antecedência mínima de 05 dias úteis da data limite de validade do licenciamento 2017, de forma a viabilizar a expedição e entrega do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) 2018, em tempo hábil em relação ao prazo de validade do CRLV 2017.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Ildo Mário Szinvelski.

Publicado no DOE em 15/12/17

Saiba mais em Detran-RS

Atenção condutores !

Os motoristas que estourarem 20 pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) a partir desta quarta-feira terão de cumprir no mínimo seis meses de suspensão. A nova regra vale para infrações cometidas a partir do dia 1º de novembro de 2016.

Atualmente, um motorista fica suspenso no mínimo por um mês. O prazo máximo continuará sendo de 12 meses. O tempo total de suspensão depende do histórico do condutor e da gravidade das infrações cometidas.

Saiba mais em Diário de Santa Maria

Pagamentos Renovação de Exames

Valores da Renovação de Exames.

ETAPA VALOR
Renovação de Exames (Não exerce atividade remunerada) R$ 215,59
Renovação de Exames (Exerce atividade remunerada) R$ 283,78

Por ser uma taxa emitida diretamente pelo estado, este valor deve ser pago à vista em dinheiro ou débito do banricompras.

Também é possível realizar o pagamento pelo sistema PINPAG no débito Visa ou Master (Inclui taxa de manutenção).

Para pagamentos no crédito, consulte nosso setor financeiro.

Para seu conforto e maior comodidade, os pagamentos são realizados no CFC.

Agende sua Renovação Online

Valores atualizados 2017

Resumo dos valores  dos serviços oferecidos pelo Centro de Formação de Condutores a partir de 01/02/2017.

Primeira Habilitação  Categoria A – R$ 1795,92

Primeira Habilitação  Categoria B – R$ 2095,62

Primeira Habilitação  Categoria AB – R$ 3.318,34

Adição de  Categoria A (Não exerce atividade remunerada) – R$ 1.063,15

Adição de  Categoria A (Exerce atividade remunerada) – R$ 1.129,39

Adição de  Categoria B (Não exerce atividade remunerada) – R$ 1.361,85

Adição de  Categoria B (Exerce atividade remunerada) – R$ 1.428,09

Mudança de Categoria C,D,E (Não exerce atividade remunerada) – R$ 2.080,75  (Necessária realização do exame toxicológico)

Mudança de Categoria C,D,E (Exerce atividade remunerada) – R$ 2.146,99 (Necessária realização do exame toxicológico)

Adição/Mudança de Categoria AC,AD,AE (Não exerce atividade remunerada) – R$ 3.025,82  (Necessária realização do exame toxicológico)

Adição/Mudança de Categoria AC,AD,AE (Exerce atividade remunerada) – R$ 3.092,06 (Necessária realização do exame toxicológico)

Renovação de Exames (Não exerce atividade remunerada) – R$ 209,44

Renovação de Exames (Exerce atividade remunerada) – R$ 275,68

PID (Permissão Internacional para dirigir) – R$ 57,60

 

 

História de superação!

É sabido que o processo de habilitação envolve empenho, dedicação e por vezes persistência para alcançar o tão sonhado objetivo de ser habilitado. Recebemos esta semana de uma estimada aluna um depoimento que transmite um pouco de seus desafios durante o processo, além de elencar qualidades de nossos profissionais, que sem sombra de dúvidas irão sentir a satisfação de ter realizado um trabalho com competência e excelência.

Obrigado Maria.

Segue o depoimento.
VENCI !!!!!!!!
Não lembro o dia, mas só sei que foi em janeiro de 2009 que dei início ao meu primeiro processo para tirar minha CNH com muitas expectativas. Que ingenuidade a minha! Não sabia que passaria por tantas aprovações, tanto de minha parte, como principalmente por parte da CFC. Decepcionada e com muita tristeza, desisti de continuar a batalhar pelo meu grande sonho. Que nada, ele permanecia vivo em mim, como uma ferida na alma que não cicatriza enquanto não nos permitimos curá-la com o único remédio,o perdão e o esquecimento. O verdadeiro perdão é muito difícil de se praticar, mesmo que o empenho seja um objetivo das pessoas em lapidar seus sentimentos em relação aos outros, a vida e a si mesmo. Então, ouvindo conselhos de um grande amigo, decidi aceitar este desafio, que era a compreensão de que tudo tem seu tempo na nossa vida e que a paciência, a fé e a perseverança são os instrumentos mais eficientes se quisermos não só vencer, mas conquistar com eficácia nossos objetivos, isto é, nossos sonhos. Depois de ouvi-lo, repensei em novas estratégias de recomeçar e o primeiro passo foi trocar de CFC, que foi muito positiva esta atitude. Então, a luta pela CNH retorna com força nos meus propósitos de vida, meta que decidi alcançar, não importava o tempo que levaria. Por várias vezes tive que interromper o processo, mas por motivos pessoais, mesmo assim, não era uma desistência, apenas um tempo necessário. Entre alguns retornos e o de reabrir processo, encontrei pessoas maravilhosas que me dava motivos para continuar. No meu último retorno encontrei-me com um anjo disfarçado de instrutor, que no primeiro encontro me passou uma segurança e confiança, antes nunca ter sentido. Ele acreditou em mim, na minha capacidade e com sua metodologia de ensinar, que muito me impressionou, minhas aulas passaram a ser alegres e prazerosas. As aulas para mim, já não eram uma obrigação, sem sentido e necessárias para aprender. Elas passaram a ter sentido, até uma terapia, como muitas vezes lhe falei, o qual achava engraçado e ria me deixando bem a vontade. Como um bom mestre, havia repreensões nos erros, sim, mas de forma que em nenhum momento me magoou, ou melhor, sem me humilhar. Minha credibilidade em mim mesma só aumentava e eu começava a reaprender o que já sabia de outra forma, brincando de dirigir. Gerson, minha gratidão e carinho por você é do tamanho do mundo!!!!! Muito obrigada por acreditar em mim!!!!!!!!!!! Também, não posso deixar de agradecer ao Diogo, companheiro do Gerson de carro, porque tive algumas aulas com ele, por não conseguir horário com o Gerson, e que foram muito importantes na minha aprendizagem, só veio acrescentar. Diogo, você é um excelente instrutor, continue sendo exigente como é, mas sempre com este seu jeitinho compreensivo, humilde e sorridente que sempre demonstrou comigo. . Tanto é, que nem deu pra sentir tanta diferença nas aulas que tinha com o Gerson, me sentia muito bem contigo também. Diogo, obrigada por ter participado também desta minha conquista! Ah! Não tem como esquecer do seu Carlos, que foi paciencioso por demais comigo. Ri muito nas aulas de simulador, mas segundo seu Carlos, eu fui muito bem nas aulas, não foi só mais uma brincadeira pra mim. Mas que foi divertido, ah, foi. Já o Rodrigo, ele foi meu primeiro instrutor e nunca se esquece o primeiro instrutor, ainda mais eu que tive o privilégio de ter muitos em minha caminhada. Com o Rodrigo tive poucas aulas, ele entrou em férias logo que iniciei, mas fica aqui meu agradecimento a ele também. Está faltando o Jonatas, hoje ele está na VIACENTRO nos simuladores. Foi com o Dionata que aprendi muito do que aperfeiçoei com o Gerson. Obrigada, Dionata! Com você eu não aprendi só a dirigir, foi bem mais que isso, aprendi sobre a vida e hoje eu te agradeço muito, com certeza irei até aí te dar um abraço pessoalmente. Quanto aos outros instrutores, eles tiveram também sua contribuição, mas não há espaço para falar de todos e muitos eu até já esqueci. Para finalizar, deixo meu abraço carinhos ao Toneto, Mainardi e Maicon, que com certeza tiveram sua parcela na minha conquista, porque assistir aulas sem perceber a hora passar, significa que foram muito interessantes. Agradeço a todos que fazem parte da equipe da CFC VIACENTRO, especialmente aos instrutores que sempre foram atenciosos comigo e torceram por mim. Centurião, valeu pela força! Gerson, obrigada por ter sido instrutor do meu filho e que passou na primeira, ao contrário da mãe,e já saiu dirigindo muito bem, embora seja jovem. E como presente a você, minha prova zerada com muito orgulho.
Maria Linck

Redução da acidentalidade foi maior entre duas rodas

No ano de 2015, o Rio Grande do Sul registrou 1.531 acidentes e 1.735 vítimas fatais no trânsito, o menor número dos últimos oito anos.  A redução histórica da acidentalidade foi maior entre duas rodas. Caronas de moto, ciclistas e motociclistas registraram um percentual de redução maior entre as vítimas do que condutores de veículos e pedestres. Somente os passageiros tiveram aumento em relação a 2014. A análise partiu do Diagnóstico da Acidentalidade 2015, publicado nessa segunda-feira (29) pelo Detran/RS.

O número de pessoas que morreram na condição de carona de moto caiu 39% em 2015, enquanto o número de vítimas entre ciclistas teve redução de 28%, e entre motociclistas, de 20%. A redução foi de 15% para condutores de veículos e 9% para pedestres. Entre os passageiros mortos em acidentes houve aumento de 3%.

Foram 64 caronas de moto, 126 ciclistas e 496 motociclistas mortos em 2014. Em 2015 foram 39, 91 e 395, respectivamente. O número de condutores entre as vítimas fatais de acidentes de trânsito passou de 592 para 503 e o de pedestres de 407 para 370. Morreram, ainda, 316 passageiros de veículos de quatro rodas em 2014 e 327 em 2015. O número de registros de carroceiros mortos passou de 7 para 5.

Redução histórica

O Estado registrou, no ano de 2015, uma redução histórica nos índices da acidentalidade: foram 16% menos acidentes e 14% menos mortes no trânsito em relação ao ano anterior. O número de acidentes e mortes é o menor desde 2007, quando o Detran/RS começou a utilizar a metodologia internacional de estatísticas de acidentes de trânsito, que contabiliza as mortes até 30 dias após o acidente (por isso não podem ser comparados a dados anteriores).

Nos demais itens analisados, há uma linearidade com o ano anterior e com o padrão histórico. Os acidentes acontecem mais à noite (35%), nos finais de semana (38%) e cerca de 60% das ocorrências acontecem em rodovias. Quase metade dos acidentes são colisões e outros 23% atropelamentos.

Com relação às vítimas, o RS mantém a proporção histórica: quase 80% homens e com uma curva ascendente de participação a partir dos 18 anos, que decresce suavemente a partir dos 30 e atinge um pico novamente aos 65.  Em comparação com 2014, a faixa etária dos 15 aos 17 se destaca e pede mais atenção: sofreu variação de 23%, passando de 60 para 74 mortes em 2015.

Década de Ação pela Segurança no Trânsito

A redução das mortes e acidentes fatais no Rio Grande do Sul impacta a curva da acidentalidade fatal no Estado em direção à meta da Década de Ação pela Segurança no Trânsito proposta pela ONU, que objetiva reduzir em 50% as vítimas no trânsito até 2020. Para chegar à metade das 3.224 mortes projetadas para 2020 caso nada fosse feito e houvesse uma progressão linear, o Estado deve trabalhar para reduzir o número de vítimas 3,1% ao ano, em média.  A redução de 14% das vítimas fatais em 2015 coloca o Estado em uma melhor posição em relação à meta da ONU.

Avaliação

A crise econômica tem sido apontada como um dos fatores que contribuíram para a redução da acidentalidade. Trata-se de um fenômeno complexo, em que é impossível isolar fatores ou reduzi-lo a apenas um ou dois aspectos. Mas, sem dúvida, na avaliação do diretor-geral do Detran/RS, Ildo Mário Szinvelski, a redução da sensação de impunidade – com o incremento da fiscalização de trânsito e punição dos infratores através da suspensão/cassação do direito de dirigir – foi fundamental para a redução das mortes no trânsito.

A fiscalização de trânsito vem sendo intensificada ao longo dos anos e o número de infrações flagradas cresceu 73% em relação a 2010. O número de processos de suspensão e cassação do direito de dirigir aumentou em uma proporção ainda maior, passando de 18.376 em 2010 para mais de 59.905 em 2015, um crescimento de 226%. Operações de fiscalização como a Balada Segura (focada na questão da embriaguez ao volante) e a Viagem Segura, realizada nos feriados e finais de semana com datas comemorativas, tornaram-se rotina na vida das pessoas, motivando uma mudança de comportamento.

Veja o diagnóstico completo.

 

Facebook